O número de transações de compra e venda de casa diminuiu em 2020 pela primeira vez desde 2012, refletindo os efeitos da pandemia.

Em 2020, e apesar da pandemia, os preços das casas continuaram a subir, ainda que com algum abrandamento face ao ano anterior.

O Índice de Preços da Habitação subiu 8,4% face ao ano anterior, menos 1,2% que em 2019. Os preços subiram 8,7% no caso das habitações usadas e 7,4% nas habitações novas.

Os números agora divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística mostram que, no ano passado, foram transacionadas 171.800 casas, menos 5,3% que no ano anterior. «Pela primeira vez desde 2012, o número de transações de alojamentos diminuiu, refletindo o contexto económico adverso decorrente da pandemia COVID-19», destaca o índice.

Este número representou um volume de negócios de 26.200 milhões de euros, mais 2,4% que no ano anterior.

O valor das transações de habitação nova subiu 9,3%, para 5.400 milhões de euros, que representaram 15,5% das transações do ano. Já o das habitações usadas subiu apenas 0,7% para um total de 20.800 milhões de euros.

No ano passado, o Norte e a região Centro representaram 28,7% e 20% do número total de transações, o peso relativo conjunto (48,7%) mais elevado desde 2014. O Alentejo e a Madeira foram as regiões que registaram um aumento nas respetivas quotas relativas regionais, para 6,9% e 1,8%, respetivamente. Pelo segundo ano consecutivo, a Área Metropolitana de Lisboa reduziu em 1% o seu peso relativo regional, que se fixou nos 33,5%.

Por outro lado, Norte e Centro representaram 24,4% e 13% do volume total de transações. A AML representou 45,4% do valor total das transações realizadas em Portugal, registando também uma diminuição de 1,5% no seu peso relativo.

O Alentejo foi a única região do país a registar simultaneamente um crescimento do número e do valor das transações de habitação, de 5% e 15,2%, respetivamente, face ao ano anterior.

A Área Metropolitana de Lisboa e o Algarve foram as regiões com maiores reduções tanto no número como no valor das transações de habitação. Na AML, o número de transações desceu 8,1%, e o valor 0,2%. No Algarve, o número de negócios desceu 12,8%, e o valor das transações 4,3%.

Preços sobem 8,6% no último trimestre do ano

Por outro lado, variação homóloga dos preços no último trimestre do ano foi de 8,6%, mais 1,5% que no trimestre anterior, período no qual os preços dos fogos usados subiram 8,5% e os dos fogos novos 9%.

Entre outubro e dezembro, foram transacionadas 49.734 habitações, uma taxa de variação homóloga de 1% e um aumento de 10,2% face ao trimestre anterior. Neste período, o valor das casas vendidas chegou aos 7.500 milhões de euros, mais 8,7% que em igual período de 2019.