O Clink Hostel Group, que detém hostels em várias cidades europeias, vai investir 25 milhões de euros na transformação de um antigo edifício dos CTT, em Lisboa.

Dois anos depois de terem adquirido uma antiga casa dos CTT em Lisboa, na Rua da Palma, os irlandeses do Clink Hostel Group desvendam os pormenores para o futuro daquele edifício. O imóvel vai ser transformado num hostel, com 750 camas, e os promotores acreditam que irá contribuir com cerca de sete milhões de euros por ano em receitas turísticas.

Foi no final de 2018 que este grupo irlandês, propriedade da família Dolan, adquiriu um pequeno edifício na zona que liga o Intendente ao Martim Moniz, na capital. Já nessa altura afirmavam que iria nascer ali o maior hostel do país. O imóvel, localizado nos números 236, 237 e 238 da Rua da Palma, foi comprado à própria empresa dos correios por 10,3 milhões de euros.

Agora, o Clink Hostels Group vai investir cerca de 25 milhões de euros na reabilitação do edifício, num investimento que será feito “exclusivamente com recurso a capitais próprios”, diz a empresa, em comunicado enviado esta terça-feira.

O edifício com uma área de 4.401 metros quadrados vai transformar-se, assim, num hostel com cerca de 750 camas, espalhadas por dois corpos estruturais: “um com três e outro com quatro andares, unidos por um logradouro”. Será equivalente a um hotel de três estrelas, lê-se.

“Temos um conceito diferente de hostel”, diz Terry Devey, representante da família Dolan, citado em comunicado. “Ter projetos integrativos nas comunidades locais, oferecendo por exemplo, aulas de português a estrangeiros e de inglês aos portugueses residentes nas zonas envolventes” são algumas das ideias, mas também “parcerias com restaurantes ou outros espaços comerciais”.

Com este hostel, o Clink Group prevê criar cerca de 90 postos de trabalho e estima contribuir com cerca de sete milhões de euros em receitas por ano. No mesmo documento, a empresa explica que o “projeto está em licenciamento para habitação, sendo posteriormente alterado para alojamento local, estando, no entanto, a aguardar há cerca de um ano a sua aprovação na Câmara Municipal de Lisboa”.

O Clink Group nasceu há 18 anos e conta atualmente com mais de 100 pessoas, em mais de 20 países diferentes. Prevê abrir mais 11 unidades em dez cidades europeias até ao final de 2022 e soma várias distinções dentro do setor.