Apesar de considerar que o número de pedidos e de aprovações não é expressivo, a secretária de Estado da Habitação admite a reconversão desde dinheiro em subsídios a fundo perdido.

Mais de duas mil pessoas pediram apoio para pagar rendas ao Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) e cerca de metade ainda aguardam resposta, segundo explicou a secretária de Estado da Habitação em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios (acesso condicionado). Marina Gonçalves avançou que 2.130 pessoas pediram a adesão ao programa, sendo que foram aprovados 750 empréstimos e 1.100 esperam resposta do IHRU.

Os empréstimos de rendas habitacionais são uma das medidas de emergência, para fazer face aos impactos da pandemia e todos os meses são registados novos pedidos. O programa está planeado para quatro milhões de euros (dos quais 2,5 milhões já estão comprometidos). Apesar de considerar que o número de pedidos e de aprovações não é expressivo, a secretária de Estado da Habitação admite a reconversão desde dinheiro em subsídios a fundo perdido.

Marina Gonçalves admite ainda que a pandemia tem causado uma descida nas rendas, mas alerta que é uma tendência temporária. “Estamos a ver uma evolução no mercado, neste momento, de alguns imóveis privados que estão a ser colocados a preços mais baixos, mas é uma realidade que não nos vai beneficiar a médio prazo porque é uma realidade que está apenas à espera que o turismo volte a funcionar para colocar estes apartamentos no mercado de alojamento local”, acrescenta a governante, à Antena 1 e Jornal de Negócios.