Nos primeiros três meses do ano as licenças habitacionais aumentam 8,6%, novo crédito à habitação cresce 17,6% e a avaliação bancária das habitações aumenta 6,8%, revela a Síntese Estatística da Habitação da AICCOPN.

Ao nível do total de licenças emitidas pelas Câmaras Municipais para obras de construção ou reabilitação de edifícios habitacionais, em função de um mês de Março muito positivo, apurou-se, no 1º trimestre de 2021, um aumento de 8,6% em termos homólogos. Na construção de habitação nova assistiu-se a um crescimento de 12,1% enquanto nas obras de reabilitação verificou-se um decréscimo de 3,6%, em termos homólogos. Ao nível das licenças emitidas para construção de fogos em construções novas, assistiu-se a uma variação em termos homólogos acumulados de 3,1%, para 6.569.

A síntese indica ainda que no 1º trimestre de 2021, o novo crédito concedido pelas instituições financeiras para aquisição de habitação totalizou 3.349 milhões de euros, montante que traduz um acréscimo de 17,6%, face ao 1º trimestre 2020.

Relativamente ao valor de avaliação bancária atribuído às habitações no âmbito da concessão de crédito hipotecário, apuram-se, novamente, máximos históricos com um aumento de 6,8% em termos homólogos, para 1.185 euros/m2.

Já o consumo de cimento no mercado nacional, nos primeiros três meses de 2021, registou um aumento de 10,8% para 922,7 mil toneladas, em resultado de em Março se ter batido um máximo de 10 anos no consumo mensal desta matéria prima.

Área Metropolitana de Lisboa

Na Área Metropolitana de Lisboa, região analisada nesta edição, o número de fogos licenciados em construções novas nos doze meses terminados em Março de 2021 totalizou 5.181, o que traduz uma redução de 6,3% face aos 5.530 alojamentos licenciados nos doze meses anteriores. Destes, 42,3% são de tipologia T3 e 25,8% de tipologia T2. Quanto ao valor de avaliação bancária na habitação nesta região verificou-se, em março, uma variação homóloga de 5,6% para 1.566 euros por m2