O Barómetro referente ao mês de Fevereiro vem demonstrar que a procura por moradias continua a aumentar tendo-se verificado uma subida de 62,9% face ao mesmo período de 2020.

Ainda de acordo com o Barómetro, no mês em análise e em termos absolutos, o preço médio de venda de imóveis anunciado foi de 349.208 euros. O que representa um ligeiro aumento de 0,8% face ao mês anterior, cujo valor foi de 346.503 euros, e de 0,4% em relação aos 347.676 euros registados em Fevereiro de 2020.

O que representa um ligeiro aumento de 0,8% face ao mês anterior, cujo valor foi de 346.503 euros, e de 0,4% em relação aos 347.676 euros registados em Fevereiro de 2020.

Neste mês de Fevereiro 2021, o distrito com o maior crescimento do preço face ao mês anterior foi Porto (+2%), Aveiro surge em 2º lugar com um crescimento de 1,6% em comparação com janeiro de 2021 e de +7,5% em comparação com o período homólogo (a maior variação positiva).

Face ao mês anterior, Beja (-2,9%) apresenta a maior queda na variação do preço médio ao passar de 141.810 euros para 137.669 euros. No entanto, se a comparação for feita com Fevereiro de 2020, observa-se um crescimento de +6,6%. Évora apresenta um decréscimo de -2,6% em comparação com Janeiro de 2021 e de -11,2% em relação a Fevereiro de 2020.

Quanto ao arrendamento o preço médio anunciado em Fevereiro deste ano é de 1.004 euros. Em Janeiro deste ano este valor fixou-se nos 1.005 euros (-0.1%) e em Fevereiro de 2020 nos 1.175 euros (-14,6%).

Porto (-20,6%), Lisboa (-16,2%) e Setúbal (-13.2%) apresentam quebras significativas ao passarem de 1.094 euros para 869 euros, 1.517 euros para 1.272 euros e 904 euros para 785 euros, respectivamente.

Évora é o distrito que teve o maior crescimento percentual (+8,7%) face a Janeiro, ao passar de 488 euros para 530 euros.

Os restantes destaques pela positiva em fevereiro face ao mês anterior são Leiria (+3,8%) e Região Autónoma da Madeira (+3,4%). Por outro lado, Beja (-11,2%) e Portalegre (-9,7%) apresentam quebras no preço médio dos imóveis.

Se compararmos fevereiro de 2020 ao mesmo período deste ano, Beja (+19,1%) regista novamente a maior subida ao passar de 499 euros para 594 euros. Em seguida surge a Guarda (+17,9%) e Santarém (+12,3).

“O mercado imobiliário, no que diz respeito à venda, continua minimamente estável e sem grandes oscilações nos valores quando comparado com períodos anteriores. Com os números que temos vindo a apresentar, verificamos que é no arrendamento que se regista a maior quebra no valor médio. Já explicámos anteriormente, mas agora os planos de vacinação mais adiantados, e com alguns países a terem planos de desconfinamento já fechados, como o Reino Unido, a perspetiva de que o sector do Turismo comece a mexer já em junho poderá trazer novidades relevantes em termos da evolução deste indicador. Outro dado pertinente é a procura por moradias continuar a crescer, provando que a generalidade das pessoas passou a dar maior valor à sua casa e à importância que esta pode ter no seu bem-estar diário”, considera Ricardo Feferbaum, Director Geral do Imovirtual.